Em uma década, condenações por improbidade somam R$ 3,2 bilhões

Agosto 29 / 2017

Os dados estão em levantamento feito pela Associação Brasileira de Jurimetria e divulgado pelo Instituto Não Aceito Corrupção

De maio de 1995 a julho de 2016, as condenações com trânsito em julgado por improbidade administrativa resultaram no pagamento de R$ 3,208 bilhões. Foram 11.607 condenações em 6.806 processos, sendo que o tempo médio para a condenação é de seis anos.
Os dados estão em levantamento feito pela Associação Brasileira de Jurimetria e divulgado pelo Instituto Não Aceito Corrupção. O banco de dados utilizado é o do Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa e por Ato que Implique Inelegibilidade, do Conselho Nacional de Justiça.
Do total pago por causa das condenações, R$ 1,525 bilhão foi em ressarcimento aos cofres públicos; R$ 1,557 bilhão, em multas; e R$ 126,782 milhões, em bens confiscados.
Das 11.607 condenações, 93,3% (10.829) são de pessoas físicas, e 6,7%, de pessoas jurídicas. A maioria das pessoas físicas condenadas é de funcionários públicos: 76,7%. Os 23,3% demais são particulares.


Punições mais comuns por
improbidade administrativa
Multas
74,1%
Proibição de contratar com o poder público
68,3%
Suspensão dos direitos políticos
64%
Inelegibilidade
58,7%
Ressarcimento integral do dano
54,5%
Perda de cargo, emprego ou função pública
25,4%
Perda de bens ou valores
4,3%


Por Fernando Martines, da Conjur

Os comentários estão desativados para esta matéria.