Região Comentários

Atuação de Promotoria leva a perda do cargo de delegado de Pitangueiras por improbidade

Julho 18 / 2018

Luís Martin foi omisso em investigações e cometeu atos ilícitos, segundo o Ministério Público

A pedido do MPSP, a Justiça impôs a Luís Henrique Martin a perda do cargo de delegado de polícia, além de suspender seus direitos políticos por três anos e proibi-lo de contratar com o poder público pelo prazo de três anos. A sentença foi prolatada no dia 10 de julho em ação por improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público de São Paulo diante de diversos atos de omissão e de ações ilícitas praticadas pelo réu, que atuava no município de Pitangueiras.


Em um dos casos, o então delegado liberou investigados flagrados em situação que caracterizava provável tráfico de drogas, quando cápsulas de cocaína e 50 pedras de crack foram apreendidas na residência de um casal. Em outro caso, Martin se recusou a lavrar auto de prisão em flagrante de dois homens que foram surpreendidos pela Polícia Militar com grandes quantidades de entorpecentes. Na ocasião, o réu chegou a devolver aos investigados objetos recolhidos pelos policiais.

Além disso, Martin foi omisso em casos de homicídios, mantendo, em um dos casos, boletim de ocorrência na delegacia por mais de três anos, sem que qualquer diligência para elucidação do fato fosse determinada. Já num caso de tentativa de homicídio, o então delegado levou um mês para instaurar inquérito policial, após relatório apontar que o autor do crime já teria fugido do distrito. Novamente, o réu deixou de realizar diligências como identificação de testemunhas e preservação do local dos fatos.

Os comentários estão desativados para esta matéria.