Sociedade Comentários

Prefeito de Pirassununga é condenado por improbidade , assédio e beijar quatro mulheres à força

Janeiro 30 / 2019

Consta dos autos que o prefeito, valendo-se da posição de chefe do Executivo, teria se insinuado sexualmente em diversas oportunidades a cidadãs que o procuravam para pedir ajuda por problemas de saúde ou em busca de colocação profissional.

Em ação civil pública, o juiz Rafael Pinheiro Guarisco, da 2ª Vara de Pirassununga, condenou o atual prefeito Ademir Alves Lindo (foto), por improbidade administrativa após ele ser acusado de assediar e beijar quatro mulheres à força. O político foi sentenciado à suspensão dos direitos políticos por cinco anos e ao pagamento de multa civil de 100 vezes o valor de sua remuneração percebida à época dos fatos.
        Consta dos autos que o prefeito, valendo-se da posição de chefe do Executivo, teria se insinuado sexualmente em diversas oportunidades a cidadãs que o procuravam para pedir ajuda por problemas de saúde ou em busca de colocação profissional. O réu, entretanto, negou que tenha praticado qualquer ato de natureza lasciva ou sexual e sustentou ter sido vítima de acusações falsas para denegrir sua imagem.
        Para o magistrado, é inadmissível querer reduzir os fatos ocorridos no gabinete apenas às esferas criminal ou cível. “No caso de abuso sexual praticado no interior de estabelecimento público pelo servidor de hierarquia máxima na organização do Município, a vítima não é, de forma alguma, apenas aquela que foi molestada. O próprio Estado é degradado com acontecimento tão aviltante à dignidade humana e aos valores morais e éticos da sociedade”, afirmou. “Disso resulta que qualquer atividade atentatória a esse bem por parte de agentes públicos tem a potencialidade de ser considerada como improbidade administrativa”, escreveu.
        O juiz também destacou: “Ao prever no artigo 11 da Lei 8.429/1992 que a lesão contra os princípios da administração pública, seja por ato omissivo ou comissivo atentatório às instituições e aos deveres de lealdade, constitui improbidade administrativa, o legislador findou por tornar de interesse público, e da própria Administração, a proteção da legitimidade social, da imagem e das atribuições dos entes e entidades estatais. Daí resulta que atividade que atente gravemente contra esses bens imateriais tem a potencialidade de ser considerada improbidade administrativa”.

As denúncias chegaram ao Ministério Público em 2011. Segundo o MP, o prefeito teria se insinuado sexualmente em inúmeras oportunidades a moradores que o procuravam para pedir ajuda por problemas de saúde ou em busca de colocação profissional.

No primeiro caso, ocorrido em 2005, uma mulher registrou boletim de ocorrência relatando que procurou o prefeito para tratar sobre a renovação de seu contrato de trabalho na prefeitura. O prefeito a cumprimentou com um beijo na boca, apalpou o corpo dela, pediu para que ela levantasse a blusa e propôs relação sexual na sala.Em outro caso, ainda segundo o MP, ele propôs uma colocação profissional para uma mulher caso ela o encontrasse na rodoviária de Leme no dia seguinte.

        Cabe recurso da decisão.
 
        Processo nº 0008771-37.2012.8.26.0457     
 

Os comentários estão desativados para esta matéria.